Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência, Ao utilizá-los, você aceita o uso que fazemos dos cookies.

Concursos 2020: Dicas e Expectativas – AlfaCon

Concursos 2020: Dicas e Expectativas - AlfaCon



► Fique por dentro de todas as GRÁTIS que o AlfaCon para você: acesse nossa agenda:

#AlfaCon #AulaGratuita

Este é O MAIOR CANAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS DO YOUTUBE! Aulas gratuitas, dicas, vídeos motivacionais e notícias todos os dias.

Inscreva-se no canal para receber todas as novidades →

► Consultores de Carreira
É só chamar no número (45) 99148-0696

De segunda a sexta, das 08h às 22h, e aos sábados, das 09h às 16h.
3004-9012 (capitais e regiões metropolitanas) | 0800 721 9012 (demais localidades)

► Inscreva-se em nossos cursos free e seja bem-vindo:
► Facebook:
► Instagram:
► Twitter:

16 thoughts on "Concursos 2020: Dicas e Expectativas – AlfaCon"

  1. Vocês acham que super-salários (ou, "criatividade", como disse o Promotor de Justiça mineiro, Azeredo, que reclamou do "miseré" de R$ 24 mil/mês, mas levou para casa, naquele ano, a média de R$ 65 mil/mês, graças aos penduricalhos imorais e inconstitucionais que suas altezas reais "criativamente" outorgam a si mesmas) podem ser veneno para a alma desses membros da nobreza imperial tupiniquim?

    Será que fazer que suas altezas tenham a garantia de ganhar super-salários para o resto da vida (inclusive seus descendentes) pode levá-los a um grau de consumismo e exibicionismo que os faz se aproximar das parcelas mais corruptas da sociedade, que são justamente aquelas que também têm na ostentação ferramenta de poder?

    Quantos concurseiros aqui acham que fazem jus a privilégios e penduricalhos salariais por serem mais inteligentes que os outros concurseiros? (uma analogia: 80% dos investidores em mercado de ações se acha mais inteligente que a média dos investidores… percebem a fina ironia do narcisismo?)

    Será que o modelo de concursos para os cargos da magistratura e do MP, baseados em inteligência retentiva ("decoreba") faz dessas pessoas realmente melhores que os mortais? Será que não deveriam ser repensados os concursos para prestigiar, ao menos em parte, a inteligência cognitiva (está provado que quem tem maior capacidade cognitiva tem menor necessidade de consumismo para aplacar a inflamação do ego, ou seja, cada humano busca ser aceito e amado de uma forma, uns pela vivacidade das ideias, outros pelo preço dos produtos que consome)?

    E agora, que diminuíram os concursos, será que o exército de bacharéis em Direito desse país vai lutar por uma sociedade mais justa, ao invés de ficar apenas querendo um cargo para entrar na festa da injustiça?

    Quantos aqui já perceberam que em TODAS as instituições (dos partidos políticos aos Tribunais, das associações às universidades, das prefeituras às autarquias federais, e mesmo em muitas empresas) são dominadas pelos MENOS CAPACITADOS, pois esses geralmente são mais POLITIQUEIROS, mais maliciosos no uso da língua de fogo (maldita seja a malignidade), e justamente por serem os menos vocacionados para as respectivas carreiras, não têm paixão pelo trabalho, aplicando muito mais energia em politicagem e articulações do que em suas funções institucionais? Isso também é, em parte, fruto dos concursos de decoreba, que em nada medem a vocação. Tem como mitigar essa excrecência sistêmica?

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.